quinta-feira, 27 de março de 2014

[Resenha] A Cozinha da Alma - Jasmin Ramadan

Publicado pela Editora: 8inverso
Li em formato: físico (cortesia)

Sinopse:
" Com uma mistura bem particular de
humor e tragédia em um texto de
leitura prazerosa, A cozinha da
alma (“Soul Kitchen”, no título
original) retrata ambientes fora da
classe média alemã e uma fração do
prisma social daquele país. A prosa
acelerada e a imaginação
extraordinária da jovem
autora Jasmin Ramadan constroem
uma nova, enriquecida e
surpreendente experiência em
relação à diversidade das esferas
sociais na Alemanha — e uma
amostra da moderna literatura
produzida por lá.
A cozinha da alma conta, em dez
capítulos, a história do jovem Zino,
filho de imigrantes gregos que o
abandonam em Hamburgo ainda em
sua adolescência, com poucas
habilidades culinárias e pouco
dinheiro. Seu irmão mais velho, a
quem Zino idolatra, é um homem
dado a pequenos delitos e que
passa a maior parte do tempo na
prisão. O problema da educação, a
luta penosa para conseguir alguns
rendimentos, o silêncio diante das
mulheres: a obra conduz o leitor por
estes desafios comuns e outros
extraordinários, como a passagem de
Zino pela cozinha de um bordel, o
trabalho num navio, a fuga para
uma ilha no Caribe e, no fim, sua
volta a Hamburgo para finalmente
realizar seu sonho e abrir o
restaurante Soul Kitchen.
A obra serve como introdução a uma
história registrada em película.
Dirigido por Fatih Akin, “Soul
Kitchen”, o filme, enfoca os
personagens de A cozinha da alma a
partir da conclusão do livro de
Ramadan. Assim, a história
transcende mídias e dialoga com
diferentes públicos, uma prova da
versatilidade da literatura popular
da Alemanha contemporânea."

Bom, pessoal; esse foi um livro que me ddu bastante trabalho para terminar a leitura. Não que o enredo dele seja monótono ou cause muitos bocejos, mas por causa de uma ressaca literária. Elas tem me perseguido muito ultimamente. Se você desconhece esse termo certamente você não é um leitor assíduo.

A capa dele é simples e colorida e lembra uma toalha de mesa. Ela retrata bem o conteúdo principal do livro que é a cozinha. A diagramação e a edição estão boas e não encontrei nenhum erro ou algo que me chamasse a atenção quanto a isso.

Bem, eu achei a linguagem desse livro mais pesado do que outro título que li da autora e estou certa quando digo que ele não é para crianças. Tem mais erotismo, fala mais em uso de drogas e a autora utiliza bastante palavras de baixo calão. Ele realmente é uma viagem bem exótica.

O enredo conta a estória de Zinos, em terceira pessoa, e é narrado através de flashbacks do passado do personagem. Depois de completar 18 anos, ele é largado pelos pais em um pequeno apartamento em Hamburgo. Seu irmão idolatrado vira e mexe está na prisão o que entristece Zinos. Então, ele se vê completamente sozinho e precisando dar um rumo na sua vida de maneira totalmente independente. Ele nunca trabalhou e encontra bastante dificuldade de arrumar emprego. Mas ele acaba encontrando um emprego em uma cozinha de um restaurante italiano onde ele começa a nutrir o sonho de ter seu próprio restaurante no futuro.

Bom, quem nunca passou/irá passar por esse período crítico de procurar o primeiro emprego? Eu particurlamente ainda não passei por isso, mas estou quase lá. Não consegui não me imaginar passando pelas mesmas frustrações de Zinos. Mas não pense que ele é preguiçoso ou faz corpo mole! Pelo contrário, é um rapaz batalhador, cheio de garra e que corre atrás do que quer.

Mas nem tudo são flores no caminho de Zinos. Quem dera! Ele passa por maus bocados ao longo da estória e principalmente, por causa da sua ingenuidade quando assunto é mulher. Ele acaba cedendo fácil a uma noite quente com elas e depois acaba por se atrapalhar todo. Não só com elas, como no trabalho. Você acaba a leitura do livro imaginando que esse cara é o mais azarado do mundo o que trás um pouco de humor ao enredo.

Perto do final, o livro conta com um pouco de fantasia. Eu achei bem forçado, cheio de brechas e um tanto desconexo. Se a autora retirasse essa parte do livro não faria falta. Outro ponto que vem me desagradando bastante nos livros da Jasmin é como ela aborda o assunto relacionado a drogas e bebida. Todos os personagens pelo menos fumam um cigarro. Para mim, ela trata isso com uma normalidade assustadora. Mas vai saber se lá no país onde ela mora isso não é normal, ne?

Apesar desses fatos indico a leitura deste livro para vocês. Ele nos mostra bem as dificuldades de se engressar no mercado de trabalho com um humor ácido e como não devemos deixar nossos sonhos de lado. Não deixem de conferi-lo!

Onde comprar?
         Site da Editora
• Adicione no Skoob:
         Clique aqui

[Overrun: A Lenda dos Sete] Capa Nova e Novidades!

Olá, pessoal!

Como vocês puderam notar mudei o nome da estória (já é a terceira vez) e resolvi também fazer uma capa para ela. Fora isso, também alterei a Sinopse e agora de forma definitiva. Abaixo vocês podem conferir as mudanças.

- Sinopse
"Um amigo. Um acidente. Uma acompanhante.

Por trás de um acidente que parece ser apenas mais um em meio a tantos outros está a maior lenda antiga: o mito dos sete Overruns. Ela é pouco comentada entre os anjos, mas se sabe que os Overruns (como são conhecidos por eles os acompanhantes humanos de certa hierarquia) são encubidos de manter o equilibrio entre o mundo mortal e o espuritual desde os primórdios da criação. Mas o que poucos sabem é que os últimos sete deles, quando os anjos já não lembrarem da lenda, foram designados para abrir os setes selos na batalha final.
Assim como eles, os demônios possuem sua própria lenda e ninguém estará a salvo naquele tempo. Acompanhe a estória de Laura, uma garota de 16 anos que após o acidente do namorado se descobre no meio de um novo mundo e de um grande mistério. Valerá a pena se sacrificar pela segurança do mundo?"

2° - Capa

Eu fiz a ilustração a mão (bem simples) e editei conforme meu agrado. Espero que gostem!

quarta-feira, 26 de março de 2014

[Drawing Day] Pássaros

Olá, pessoal!

Trago este desenho que fiz com lápis de cor e caneta. Provavelmente, ele vá para moldura e já tem alguém querendo compra-lo.

terça-feira, 25 de março de 2014

[Sonho Literário] Quando o Livro Invade Nosso Sono

Gente, eu sei que esse Post vai parecer estranho para vocês, mas eu queria mesmo inovar. *risos* Bom, não venho falar aqui de algum livro que eu esteja sonhando em comprar/ganhar, mas no sentido mais literal da palavra. Quem nunca teve um sonho com algum personagem de filme, desenho, e até mesmo com um personagem de um livro? Sim, você leu bem! Sonhos com personagens de livros.

Claro que isso se torna mais fácil quando ele foi adaptado para o cinema e você terminou de assisti-lo ou quando você está muito ansioso para vê-lo ou quando voce imagina o personagem que chega a visualiza-lo com toda aquela feição. Pelo menos, comigo acontece assim (não digam que so acontece comigo :o).
Bem, hoje eu tive um desses sonhos literários e tive a ideia de sempre que eu tiver um sonho com um personagem de algum livro, venho aqui contar para vocês!

Eu não lembro muito do sonho mais, entao vou contar um pouco do que lembro.

No sonho, eu estava gravando uma cena de Divergente (que vergonha de contar isso :s) com a Shailene, o Theo e o Ansel. Estavamos todos vestidos com roupas da Audácia. Nós corríamos por um lugar ou uma rua, nao lembro bem, e depois de terminar a gravaçao eu conversava com eles. Eu começava a dizer para o Ansel que eu tinha visto no twitter os fãs comparando Divergente com Jogos Vorazes e que eu achava nada a ver e ele concordava. Depois sentavamos na grama todos juntos e tiravamos fotos, nos abraçavamos, etc. Então pã, eu acordei com aquela sensaçãp de que o sonho parecia muito real.

Foi estranho porque eu nem estava pensando nisso antes de dormir (só no restante do dia kkkk), mas tudo bem. E quem dera uma pontinha desse sonho fosse real! *risos*
E, vocês? Já tiveram algum sonho literario?

[Adicionei no Skoob] #1

Olá, pessoal!

Neste Post trago novidades para vocês! Primeira de todas e principal, mudei o #DicaDeLeitura para Adicionei no Skoob, onde postarei o top 5 da semana do que adicionei como desejado no meu skoob. Apenas os que ainda não li, como os lançamentos de cada editora. Eles vão servir como dica de leitura para vocês, como também para trazer as novidades literárias que mais gostei! Não terá data fixa na semana.

Segunda boa noticia que vou emendar neste Post é a de que mudei algumas coisinhas aqui na header do Blog e também nas abas principais. Ainda estou terminando de arruma-las por isso não estranhem se virem algo fora do lugar ou de proporção.

E terceira e ultima noticia não menos importante: irei mudar o nome da estória que posto aqui no Blog novamente. Tive novas idéias e mudei um pouco o enredo de direção. Por isso, agora o nome será Overrun: A Lenda dos Sete. Fiquem ligados nos proximos capitulos. ;)

Deixo vocês agora com o top 5 do meu skoob* nos ultimos dias! Espero que gostem e acabem lendo eles como irei fazer também.

1- A Casa de Segredos - Chris Columbus
Adicione no Skoob: clique aqui.

2- Enfeitiçadas - Jessica Spotswood
Adicione no Skoob: clique aqui.

3- A Seleção - Kiera Cass
Adicione no Skoob: clique aqui.

4- Entre o Agora e o Sempre - J. K. Moriarty
Adicione no Skoob: clique aqui.

5- A Fenda Branca -
Adicione no Skoob: clique aqui.

*Para mais informações (sinopse, etc), acesse o link de cada livro.

segunda-feira, 24 de março de 2014

[Overrun: A Descoberta] Continuaçao do Capitulo 17

Enquanto ela dorme me reuno com os meus companheiros. Sentamos para um cafe na lanchonete da clinica ao redor de uma pequena mesa. Depois que os anjos souberam que ela estava bem nos chamaram para uma conversa. Pelas suas expressoes sérias imagino que nao seja uma coisa boa. Marcelo toma a palavra e ficamos todos em silencio.
- Bom, sabemos que agora a Laura é uma Overrun e nao poderá mais levar a mesma vida de antes. Ela é uma dos escolhidos. Estivemos pesquisando esses dias mais sobre a lenda e descobrimos que existem 7 overruns e voce é a setima, Laura. Diz a lenda que quando setes Overruns estiverem sobre a terra, sera o dia que o bem sobrepujara o mal. Cada um dos escolhidos juntos com seus sete anjos irao para a batalha final, mas antes disso cada um dos setes tera que descobrir a chave do seu proprio caminho.
- Isso quer dizer que devemos procurar pelos outros seis Overruns? - pergunto.
- Nao e sim. Parece que o caminho que voce descobrir te levara para junto dos outros. Ainda preciso estudar mais a lenda. - Marcelo responde. - Fora isso, quero lhe contar outra coisa, Laura.
- Pode falar.
- Acho que seria mais apropriado que Bianca lhe diga.
Bianca me da um olhar amavel e contente antes de começar a falar.
- Eu recebi uma mensagem ontem, Laura. E sua mae nao podera mais ficar perto de voce. Ela iria correr muitos riscos ao seu lado. E voce deve manter o equilibrio e nao quebra-lo.
- Como assim? Eu nao posso deixa-la fora das minhas vistas. Voces viram o que aconteceu daquela vez! - falo irritada.
- Mas, voce nao ouviu o mais importante. Eu vou com ela.
- Voce vai com ela? Mas, como...
- Eu agora sou Slaver dela. Por isso, nao tinha ido ainda. Eu fiquei muito contente com essa noticia, Laura. Voce nao imagina o quanto.
- Eu nem sei o que dizer. Estou perplexa. Voce vai contar a ela?
- Nao. Eu vou evoluir para uma forma adulta e irei acompanha-la de perto, mas como amiga. Vou conseguir uma promocao para ela em outra livraria de outra cidade e vou trabalhar junto com ela. Manterei tudo sobre controle.
- Eu nao queria que fosse assim. Eu nao tive nem tempo de aproveitar a companhia dela ainda. Isso nao é justo.
- Laura, nao podemos ir contra o destino. Imagino que voce tenha muito a dizer a ela agora tera tempo para isso. Mas voce sabe que ela nao pode ficar.
- Eu sei, mas isso nao faz tudo parecer melhor. Ela é minha mae. Finalmente, posso dizer que ela é minha mae.
- Voce confia em mim? - ela pega minha mao sobre a mesa e me olha direto nos olhos e eu sei que nao preciso nem pestanejar.
- Claro. Tudo bem, Bianca. Eu vou concordar com isso pelo bem dela e por te conhecer tao bem. Sera dificil para mim deixar voces duas irem.
- Nos nunca iremos totalmente.
Ela afaga meu rosto por um momento e ficamos em silencio por alguns minutos.
- Voces sabiam que existiam mais Overruns? Que eram tantos assim? - Jefferson pergunta.
- Nao. Eu nunca tinha lido a lenda antes. Como eu disse, ela nao é muito comentada. So os de hierarquia mais avançada tem acesso a ela.
- E como voces tiveram? - pergunto.
- Digamos que eu ganhei uma copia dela ao me tornar seu acompanhante. - Marcelo responde. - Ainda estou tentando decifra-la por inteiro. Esta escrita em uma lingua antiga morta.
- Voce acha que os outros estao aqui? Na cidade?
- Talvez nem estejam nesse país. Preciso estuda-la mais a fundo. Depois que Bianca levar sua mae em segurança para outra cidade conversaremos mais sobre isso.
- Isso parece assustador. - falo.
- Voce tem que ter em mente que nada será facil sendo uma Overrun. - Leandro diz carrancudo e viro meu rosto para outro lado.
- Marcelo, se a Juliana é uma Trihair e ela é o meu oposto isso quer dizer que existem mais com ela?
- Provavelmente, sim. Mas nao teremos como saber agora. So eles tem acesso a sua propria lenda.
- Voces acham que ela pode nos atacar aqui? Ou quando formos para casa?
- Ela sabe que estamos preparados para isso e agora fara tudo na base da surpresa. Entao, provavelmente ela nao va dar as caras agora. - Marcelo responde. - Nao se preocupe com isso agora. Aproveite o tempo que tem com sua mae. Nos estaremos de olho em tudo. - ele afaga meu ombro.
- Bom, eu nem cheguei a agradecer voces por isso. Eu nao tenho palavras para expressar a importancia que voces tem para mim. Se ja nao bastasse o motivo de salvar vidas sendo uma Overrun, eu seria por voces.
- Lindas palavras, Laura! Nos estamos muito felizes por servirmos ao lado de voces. - Bianca diz sorrindo.
- Eu faria tudo de novo e de novo e quantas vezes fosse preciso. - Jefferson fala acariciando meu rosto.
Aproveitamos o restante do lanche em silencio e depois voltamos para o quarto. Os anjos preferem ficar do lado de fora para nao causar comoçoes com a minha mae, assim como Jefferson. Ela nao entenderia eu andar cercada por tres desconhecidos alem de ja estranhar meu namoro com Jefferson.
Entro no quarto e vejo-a tomando um pouco de sopa em uma bandeja na cama. Me sento ao seu lado e ela me estuda como se querendo me reconhecer. Deixo que ela tenha acabado tudo para conversarmos.
- Como se sente? - pergunto.
- Muito fraca e bastante confusa. Tentei me lembrar do acidente ou da viagem, mas apenas me recordo de esta trabalhando na livraria e as memorias escurecem.
- Nao tente pensar muito nisso. O importante é que voce esta bem agora.
- Quem me levou ate la? Como ele nao esta assim como eu?
- Bem, a tia Amelia mandou alguem vir lhe buscar dos vizinhos dela  e ele tambem ficou mal. So nao entrou em coma.
- Porque sua tia queria que eu fosse para la assim com tanta pressa que precisou mandar alguem?
- Eu nao sei bem, mae. Nao lembro mais direito. Descanse agora.
- Isso é muito esquisito.
- Voce nao imagina o quanto... - murmuro.
- O que disse?
- Nada.
Ela me analisa dos pes a cabeça e parece que é a primeira vez que faz isso. Tudo parece tao novo agora. Como se so agora, eu soubesse o que é uma mae.
- Voce esta diferente, Laura.
- Digamos que esse seu acidente me obrigou a mudar um pouco.
- Entao, isso é uma coisa boa. Quem esta cuidando la de casa?
- Eu arrumo la de vez enquando.
Depois de alguns minutos de um silencio constrangedor, ela volta a falar.
- Laura, o que houve com Gabriel?
- Eu nao sei se gostaria de falar sobre isso.
- Entao, voce nao mudou. Continua escondendo as coisas para si?
- Isso é algo dificil de falar. Resumindo, ele agora tem outra pessoa e eu tambem segui em frente.
- Mas, voce gosta dele?
- Do Gabriel?
- Nao. Estou falando do Jefferson.
- Mais do que eu ja gostei de qualquer outro. Ele tem sido um anjo para mim.
- Fico feliz por voces. Ele parece ser um rapaz direito. Ele mora la no bairro? Estuda com voce?
- Ele estudava sim, mas mora em outro bairro. Perto do bosque...
- Que bosque?
- Nada, mae. Descanse agora. Vou dar uma saida, mas volto logo. Qualquer coisa, aperte esse botao aqui que uma enfermeira vem ate aqui, ok?
Ela meneia a cabeça em um gesto afirmativo e parece cansada. Ajeito o cobertos sobre ela e dou um beijo em sua testa assustando tanto a ela quanto a mim. Quando saio todos me encaram no corredor como se eu fosse o centro do nosso grupo. Por um momento desejo esta sozinha, ir ate o bosque das cinzas. Mas quando Jefferson me abraça e sinto seu cheiro e o calor do seu corpo, eu desmorono e sei que agora nunca mais precisarei ir ate la. Nunca mais irei precisar me esconder, ter medo e me retrair. Agora eu posso simplesmente deixar os sentimentos irem. Finalmente posso ser eu.

sexta-feira, 21 de março de 2014

[Cinema] ("Meus") Filmes Baseados em Livros mais Aguardados de 2014

Olá, pessoal!

Queria trazer um Post novo para vocês sobre os filmes que estou (estamos o/) mais ansiosa para ver na tela do cinema esse ano. A expectativa é gigantesca e pelo que temos visto de alguns produtores e diretores ultimamente faz com que ela só aumente!

Os filmes baseados em livros sempre geram muito alvoroço na midia, principalmente da parte dos fãs. Alguns deles conseguem agradar bastante, outros são um fiasco total (fugindo totalmente do tema do livro e suas características) e tem aqueles que ficam no meio termo. Mas, não podemos negar o quanto os diretores tem conseguido trazer dessas estórias para a tela. Pouca coisa tem sido deixada de fora e estão cada vez mais fiéis para a alegria dos fãs.

Espero não me decepcionar com as estréias tão aguardadas deste ano. Só nos resta torcer para estarem pelo menos na média.

Abaixo deixo a lista dos que estou mais ansiosa para ver, assim como creio que vocês também!

1 - Divergente (17/04)
• Trailer Oficial: clique aqui
• Conheça o livro: Skoob

2 - A Culpa é das Estrelas (12/06)
• Trailer Oficial: clique aqui
• Conheça o livro: Skoob

3 - Como Treinar o Seu Dragão (19/06)
• Trailer Oficial: clique aqui
• Conheça o livro: Skoob

4 - Maze Runner - Correr ou Morrer (18/09)
• Trailer Oficial: clique aqui
• Conheça o livro: Skoob

5 - Jogos Vorazes - A Esperança- Parte 1* (21/11)
• Trailer Oficial: será divulgado um teaser dia 13/04
• Conheça o livro: Skoob

*alguns dos filmes citados não possuem trailer até o momento.
° Todos os livros foram resenhados aqui no Blog.

[Overrun: A Descoberta] Capitulo 17

Quando chegamos em casa praticamente corro para o banheiro. O contato com a agua arde em minha pele dos braços, rosto e pernas. Arranhoes como os provocados por unhas de gato estao vermelhos e inchados aqui e ali. Mesmo com isso o banho nao deixa de ser refrescante. Me visto com roupas leves enquanto Jefferson toma uma ducha e logo depois procuro minha mochila. Encho-a com algumas roupas minhas, guardo minha caixa com minhas armas por baixo de tudo e fecho. Lembro que talvez precise ir em minha propria casa pegar roupas para minha mae. Quando as imagens da destruiçao em que os Damns deixaram a casa surgem em minha mente as reprimo para longe. Nao hoje. E nao agora. Levo a mochila para sala, pego uma sacola para colocar as roupas para minha mae e volto para a cozinha para procurar algo para comer. Nesse momento, Jefferson sai do quarto e para me olhando. Ele me parece ser mais do que eu poderia ter pedido. Me entendi, esta ao meu lado sempre e divide esse segredo comigo. Nao sei se o amo. E nem tenho tido tempo para pensar em amor agora. Surge um pensamento no fundo da minha mente sussurrando: E talvez nunca tenha.
Ele sorri para mim enquanto encurta o caminho que nos separa. Seu abraço é quente, nem forte , nem leve, na medida certa para mim. Ele beija meus cabelos e me embala em uma dança de uma musica so sua. Nos separamos e o puxo para cozinha e ele me ajuda a preparar o almoço. Fazemos tanta sujeira na cozinha que vamos precisar do dobro de tempo para arruma-la. Apreciamos a comida calmamente por um tempo. Ele diz que me ama entre uma garfada e outra de espaguete e sorrio para ele. Mas quando lembro por um segundo da minha mae e que ficar aqui sentada e calma aproveitando esse momento com meu namorado pode ser apenas uma ilusao, meu estomago vira uma pedra. Jefferson percebe e tenta me dar o resto da comida na boca, mas recuso veemente.
- Jefferson, podemos ir la em casa pegar umas mudas de roupa para minha mae?
- Voce quer mesmo voltar ate la? Posso ir sozinho.
- Eu tenho que encarar os problemas de frente agora. Eu sou meio que obrigada isso.
Ele olha para meu prato apenas mexido e levanta uma sombrancelha para mim.
- Nao vai terminar primeiro?
- Nao tenho vontade.
- E se eu disser que so vou te levar ate la se voce comer tudo?
- Voce nao tem mais moto, Jefferson. Ah, e sobre isso acho que voce tomou uma atitude precipitada. Nao parece muito justo.
- E voce queria que eu deixasse sua mae ir para um hospital publico naquele estado? Eu jamais me perdoaria por isso. A moto seria como um lembrete permanente para mim. - rio.
- Tudo bem. Voce tem razao. Mas fico te devendo essa.
- Oh, nao fica coisa nenhuma! Pode comer ja!
Ele pega o garfo e faz um aviaozinho para mim como se eu tivesse cinco anos ainda. Rolo os olhos para ele enquanto sou obrigada a comer tudo calada.
Pegamos o onibus rumo ao meu bairro e meu coraçao aperta a cada metro que nos aproxima mais de la. É como se eu ja nao pertencesse mais aquele lugar. Como se eu ja nao me pertencesse mais. Jefferson segura minha mao firme entre as suas e se distrai olhando pela janela. E eu so consigo pensar que eu nao quero ter que voltar mais aqui. E é estranho.
Quando descemos no ponto obrigo minhas pernas a irem adiante. Assim que chegamos na frente da casa, ela me parece velha e abandonda. Abro a porta que range ao meu esforço e me deparo com a mesma bagunça de antes. Sujeira por todos os lugares, teias de aranha sobre os moveis despedaçados. Entro no quarto da minha mae e nao vejo Jefferson atras de mim. Seu quarto é a unica parte intocada da casa e suspiro. Pego as roupas do guarda roupa e coloco dentro da mochila. Seu cheiro esta por todo lugar e é dificil conter as lagrimas, mas em algum lugar acho a coragem para faze-lo. Pego ainda um pente e um perfume que sao os que ela mais gosta e ajeito com na mochila. Volto procurando por Jefferson e ele esta olhando absorto para a parede a sua frente. Ele nao percebe minha presença silenciosa e o olho contornar meu nome e os desenhos. Depois de alguns segundos, ele sai do estado de torpor.
- Sao lindos. Eu achei alguns em uma pasta que estava jogada no canto. Por que voce nao me falou  que desenhava? - ele pergunta sem me olhar.
- Isso foi a muito tempo.
- Nao tanto tempo assim. - ele se silencia por um segundo antes de contunuar. - Voce gostava muito dele?
- Nao mais do que voce. Se é isso que voce quer saber.
- Bom saber.
Ele pega algo do chao e passa na parede. Ele apaga o nome de Gabriel e em sua caligrafia mais bonita que a minha, coloca o dele no lugar. Ele se vira para mim com a cabeça pendendo um pouco de lado com um sorriso travesso nos labios. Me jogo em seus braços e ele nos gira no meio da bagunça do meu quarto. Na bagunça da minha vida.

                        +++

Voltamos para a clinica e arrumo as coisas na comoda destinada a ela. Marcelo, Bianca e Leandro nao saem do lado por um minuto e ja me parecem cansados. Peço para que vao para casa, mas eles nao cedem. Jefferaon argumenta com eles e Bianca e Leandro vao para casa em um dobra de viagem, mas Marcelo fica. Me sento na cadeira ao lado da cama dela com suas maos nas minhas enquanto ela permanece dormindo.
Mais tarde, um cirurgiao a levou para a sala de emergencia para lhe colocar uma sonda para a alimentacao. Ela esta definhando, ele havia dito. Uma semana se passou tao devagar quanto o arrastar de um jabuti. Ela apresentou um pequeno aumento de peso e nao estava mais com a cor da pele esverdeada. Mas ela ainda nao havia voltado do coma. Os medicos nao sabiam dizer quando, nem tampouco os meus anjos.
Nos revesavamos para ficar ao lado dela, descansar e para sair para tomar ar puro. Meus olhos ja estavao fundos com olheiras e eu nao me reconhecia mais no espelho. Na segunda semana, enquanto eu acariciava-lhe a face, ela murmurou palavras soltas. Ela nao acordou, mas isso foi grande motivo de alegria para os medicos e de choro para mim. No inicio da terceira semana enfim ela acordou.
Eu estava conversando com ela a tarde lhe contando estorias sem importancia como os medicos disseram que seria bom fazer. Disseram que ela me entendia. Em um certo momento da estoria, ela apertou minha mao e abriu os olhos aos poucos. Ela ja estava corada e tinha pego cinco quilos. Ela me olhou e sorriu amavelmente como nao tinha feito a muito tempo, ate mesmo antes disso tudo.
- O que houve? - ela pergunta com a voz rouca.
- Um acidente. Mas nao se preocupe. Agora ja esta tudo bem.
- E por que... voce esta bem? Nao estava junto comigo?
- Nao. A senhora foi visitar a tia Amelia no interior e sofreu o acidente de carro no caminho.
- So eu fiquei assim?
- Sim. O motorista ja esta bem.
- Quem esta pagando por isso? - ela indaga enquanto seus olhos prescrutam o lugar.
- O seguro do carro. Descanse agora,mae. Vou buscar a medica.
-Quem é aquele? - ela fala olhando por sobre o meu ombro direto para Jefferson que sorri e caminha ate nos.
- Meu nome é Jefferson, senhora! Sou o namorado da sua filha.
- Namorado? Onde esta, Gabriel?
Ela começa a ter um acesso de tosse e Jefferson corre para chamar uma enfermeira.
- Fique tranquila. Depois eu lhe conto tudo.
- Quanto tempo eu fiquei desacordada?
- Muito tempo.
- Quem cuidou de voce? Ele?
- Tambem.
A enfermeira entra em desparada pelo quarto e parabeniza minha mae pela recuperacao e lhe injeta um tranquilizante. Logo ela volta a dormir. Saio para o corredor e abraço Jefferson rindo e chorando ao mesmo tempo.

[Parceiro] Editora Publiki lança e-book grátis sobre o Mercado Editorial no Brasil

Olá pessoal!

Tenho uma novidade da Editora Publiki para vocês. Principalmente para aqueles que querem lançar um livro em solo brasileiro.
A editora disponibilizou gratuitamente em seu site o eBook: “Como transformar ideias em livros de sucesso” e nele fala sobre asvcaracterísticas do mercado editorial, os caminhos para se publicar e vender um livro no Brasil. Também há dicas de design editorial e marketing neste eBook.
O link para download é
este: http://publiki.me/
pablomassolar/como-transformar-
ideias-em-livros-de-sucesso.html

Não deixem de conferir!

quinta-feira, 20 de março de 2014

[Overrun: A Descoberta] Final do Capitulo 16

Me atiro aos pes da cama deixando a emoçao me dominar. Esta escuro e eu mal posso ver seu rosto, mas ela esta mais magra do que da ultima vez. Os outros me observam do lado de fora me dando tempo. Ela ainda esta como se dormindo e tiro uma mecha de cabelo do seu rosto e afasto as lagrimas dos meus olhos. A abraço firme sentindo cheiro de casa pela primeira vez nesses longos meses. Jefferson me ajuda a me erguer da cama e vejo os outros me encarando.
- Precisamos ir. Eles podem voltar. - Marcelo diz com uma das suas maos em meu ombro.
Vejo enquanto eles afastam a cama dela para o meio do quarto tomando cuidado para nao desconecta-la dos aparelhos. Fazemos um circulo ao redor do leito e nos damos as maos. Canticos parecem ondular a escuridao dissipando-a aos poucos ao nosso redor. As particulas do meu corpo se atraem para outro plano e antes que eu perca minha conaciencia ouço a porta se escancarar as nossad costas, mas ja é tarde demais.

                        +++

Um clarao pertuba minha visao e ela demora um pouco para se ajustar. O quarto em que estamos é coberto por azulejos brancos. Vejo a cama da minha mae a minha frente e o meu coraçao afunda. Sua aparencia esta mais morta do que viva. A pele gruda ao redor dos seus olhos fundos, em torno de todos os seus ossos. Estiro o braço para toca-la e as lagrimas se tornam insistentes. Me retraio quando sinto Jefferson me puxar para a fora da sala. Saimos para um longo corredor tao branco quanto o quarto. Jarros com plantas tentam quebrar a mesmice do lugar, mas pouco conseguem modificar.
Damos alguns passos e nos sentamos abraçados em um banco. Me seguro firme em Jefferson e ele geme.
- Seu braço ainda doi muito?
- Nao se preocupe com isso. - olho para o ferimento enfachado perto do seu ombro. - Leandro estancou antes que se tornasse grave. Vai curar.
Fico em silencio sem saber que palavras usar. Eu consegui escapar. Conseguimos traze-la. Pensar nisso nao me tras tanto conforto e ainda me pergunto porque.
- Foi tudo tao irreal. Eu pensei que nao conseguiriamos.
- Eu tinha certeza. A partir do momento que ela achou que iria ganhar,eu soube que aquilo seria seu maior erro.
- Eles nao lutaram tanto quanto poderiam. Eu...
- Deixe para pensar nisso depois. Voce esta fraca e cansada. Temos coisas melhor para nos preocupar.
Ouço a porta se abrir e fechar e Bianca e Marcelo param em nossa frente.
- Vamos conversar com um medico e lhe explicar que ela sofreu um acidente. Pelo estado que ela esta eles vao acabar se convencendo.
- Voce acha que ela vai se recuperar? - pergunto.
- Agota sim. Fique tranquila que o mais dificil passou. Vamos manter guarda aqui para nada lhe acontecer.
- O que voce acha que fizeram com ela? Parece esta em algum tipo de coma.
- Isso é um ritual chamado de Speech Mind ou apenas Selo de Mentes. Ele faz com que um humano entre em estado de letargia. Ela nao ira se lembrar de nada do que aconteceu.
- Pelo menos, nao terei que explicar nada disso para ela.
- Sobre isso teremos que conversar depois. Agora voces fiquem aqui enquanto eu e Bianca vamos ate um medico.
Eles se distanciam pelo corredor e dobram em outro. Fecho os meus olhos e meus pensamentos começam a me assombrar outra vez e me sinto sufocada. A voz de Juliana paira estridente em minha mente. Eu sou uma Trihair. Uma caçadora de Overruns. Eu nao sei como farei para levar essa vida de perigos sem machucar minha mae outra vez. Tenho que achar um meio termo ou darei um jeito de negar esse destino a Marcelo.
Olho para os meus braços e roupas rasgados e arranhados e desejo tomar um banho e quem sabe dormir e esquecer tudo isso tambem. Esquecer que eu sou uma escolhida. Jefferson acaricia meus braços carinhosamente e repousa sua cabeça na minha.
- Voce quer ir para casa? - pergunta.
- Nao. Eu nao sei sei se conseguirei sair do lado dela outra vez depois disso tudo.
- Voce sabe que tera que seguir sua vida nao é? E voce tampouco pode negar isso a ela.
- Isso é dificil de pensar. Eu so queria minha antiga vida de volta. Os problemas eram bem menores.
- E eu? Voce me deixaria para tras?
- Voce sabe que nao. É so que é muita coisa para mim. E ela so tem a mim de qualquer maneira. Nao quero colocar a vida dela em risco por minha causa de novo.
Ele segura meu rosto entre suas maos macias e olha em meus olhos como se quisesse me tirar da orbita da terra.
- Enquanto eu estiver aqui nenhum mal acontecera a nenhuma de voces duas, Laura. Eu prometo. Voce confia em mim?
Assinto com a cabeça e nossos labios se encontram em meio a um mar salgado de lagrimas. As minhas e as dele se encontrando em emaranhado de segredo e afliçao. Mais do que isso em cumplicidade, promessas e amor.
Porém, a pontada em meu peito resiste tao forte quanto tempestade porque sei que agora nao existe mais volta.
Ergo a cabeça quando Marcelo chega conversando com uma medica. Ela aparenta ter mais de trinta anos e tem cabelos castanhos compridos e lisos. Ela franze o cenho enquanto ouve atentamente as palavras dele. Eles se virao para nos e Marcelo nos apresenta.
- Esse é Jefferson e essa é Laura, filha da paciente.
A doutora apenas me da um sorriso mecanico e se volta para Marcelo. Eles retomam a conversa indo em direçao ao quarto. Me afasto os seguindo e Jefferson segura meu braço.
- Eii, o que foi?
- Nao va la agora. Voce sabe como ela esta para que ficar se martirizando.
- Cuidar dela nao é problema para mim.
- So estou dizendo que seria melhor ficar aqui enquanto voce se acalma mais. Ela so vai dar uma olhada na sua mae. Ja ela volta e te conta tudo.
Suspiro e me sento novamente no banco. Varios minutos se passam e me sinto angustiada. Quando estou a ponto de levantar a doutora sai com Marcelo em seus calcanhares.
- O caso dela é delicado. Ela perdeu muito peso e esta com a pele ressecada e machucada. Esse acidente foi bem grave pelo que posso constatar. O que voce disse que era mesmo?
- Acidente de carro. Cairam em uma ribanceira em um rio. - quando a medica lhe da um olhar deaconfiado ele da de ombros. - Um milagre.
- Hum. Ela vai ter que ser levada para uma ala de tratamento intensivo. Vai ficar provavelmente uns dois meses internadas ate se recuperar completamente. Ela tambem esta em coma e nao sabemos quando ira acordar. Vou providenciar que a transportem para outro quarto.
A doutora começa a escrever em sua prancheta e me entrega um papel para pregar na cama da minha mae com instrucoes para os enfermeiros. Ela sai novamente escoltada por Marcelo e Bianca. Entro no quarto e vejo Leandro sentado ao lado da cabeceira olhando para minha mae serio. Ele se levanta para que eu me sente e sai me deixando a sos com Jefferson. Pego a mao raquetica dela entre aa minhas e afago seus cabelos.
- Voce vai ficar bem. Foi um milagre. - murmuro para ela.
Arrumo o lençol por cima dela e coloco sua cabeça em uma posicao mais confortavel. Eu gostaria que nenhum daqueles dias tivessem existido. Daria tudo para voltar atras e ter sido uma boa filha. Quem sabe voce nao estaria aqui assim, eu penso. Olho para longe por ser doloroso demais para mim ve-la em tais comdicoes e nao poder fazer absolutamente nada. Acabo cochilando na cadeira e so acordo quando Jefferson me cutuca.
- Precisamos ir para casa agora.
- Eu nao quero deixa-la.
- Eles ficaram aqui. Por favor, vamos so comer e trocar de roupa e voltamos? - ele diz me dando um meio sorriso.
- Tudo bem.
                   
                      +++

Pegamos um onibus proximo a clinica e seguimos para casa. Nao falo nada por todo o caminho e ele respeita meu silencio. Dentro de mim cresce uma vontade maior do que eu de dar um basta nisso e de renegar meu destino. Eu sei que tem apenas uma maneira de fazer isso e ela é tao ruim quanto deixar as coisas continuarem assim. Eu teria que ser como Gabriel e nao quero isso para mim. Nao quero trocar um lado pelo outro. Gostaria que fosse o bastante apenas dizer nao, mas sei que eu magoaria Marcelo. E nao posso deixar que ele volte aquela vida de se transformar em animal e ficar nem ca, nem la. Seria duro demais para ele uma segunda vez.
Entao, eu decido deixar as coisas seguirem seu rumo. Farei como Juliana disse, tomarei meu papel de direito. E nao deixarei que isso nunca mais aconteça com outro Overrun. Eu procurarei por eles e os ajudarei onde quer que estiverem. Nao os deixarei sozinhos e a merce de Juliana e Tirank.
Onde quer que voces estejam, irmaos, saibam que podem contar comigo. Eu serei a melhor Overrun. A maior vingadora de nossa raça. A maior lenda dos anjos.

[Parceiro] V&R lança A Fenda Branca - As Cores de Madelaine de Jaclyn Moriarty

Ficha Técnica:
Título: A fenda branca – as cores de Madeleine
Autor: Jaclyn Moriarty
Formato: 21 x 29,7 cm
Nº de Páginas: 336
Capa: Brochura

+ informações:
Onde comprar?
        Saraiva
Adicione no Skoob:
        Clique aqui.
Leia o 1° Capitulo:
         Clique aqui.

A V&R Editoras lança, em março, o
livro A fenda branca – as cores de
Madeleine , primeiro volume da
trilogia da escritora australiana
Jaclyn Moriarty, aclamada pela crítica
internacional como um dos
principais nomes da narrativa
fantástica contemporânea.
As aventuras, descobertas e conflitos
de dois adolescentes que vivem em
universos paralelos é o tema central
da narrativa. De um lado, no reino
fantástico de Cello, um lugar mágico,
permeado por feitiços, abóboras,
cores que tem vida própria –
algumas boas e outras más – e
estações do ano que mudam
subitamente, vive Elliot Baranski, 15
anos. O garoto está à procura de seu
pai, desaparecido na mesma noite
em que seu tio foi morto. Nas ruas
de Cello, correm boatos de que seu
pai assassinou o irmão e fugiu com
a professora de física, mas o jovem
recusa-se a acreditar nesta versão e
está determinado a descobrir a
verdade.
Em outra realidade, na cidade
chuvosa e cinzenta de Cambridge,
na Inglaterra, vive a garota
Madeleine, que guarda segredo
sobre o seu passado misterioso.
Madeleine e a mãe fugiram – sob
circunstâncias não esclarecidas – da
vida rica que levavam ao lado do pai
e se instalaram nas extremidades de
Cambridge, onde levam uma vida
muito simples.
Separados por mundos diferentes,
suas histórias se unem com a
descoberta acidental de uma fenda
que funciona como um portal entre
as duas realidades. Ao voltar para
casa de bicicleta em um dia
qualquer, Madeleine se depara com
algo que chama sua atenção: de
dentro de um buraco em um
parquímetro quebrado, a menina
retira uma carta dobrada
cuidadosamente com uma mensagem
enigmática. Por meio desta fenda,
que há muito tempo não se abria, os
protagonistas passam então a se
corresponder.
Embora vivendo em realidades
diferentes, os dois passam a se
ajudar mutuamente, em uma corrida
contra o tempo, para desvendar os
mistérios que os atormentam antes
que seja tarde demais.
Comovente, sutil e engraçado, o
estilo de Jaclyn Moriarty alterna
diálogos em primeira pessoa,
narrativas em terceira pessoa, cartas,
recortes de jornais e dá significado a
fatos que vão surgindo no decorrer
da história, e que, a princípio,
parecem aleatórios para o leitor.
Fantasia, magia, ciência, aventura,
mistério, elementos que prendem a
atenção e agradam crianças e
adultos, compõem a fórmula do
sucesso internacional da autora.

quarta-feira, 19 de março de 2014

[Overrun: A Descoberta] Mais do Capitulo 16

Sinto um ar frio sob meus pés e vejo Leandro e Jefferson se materializarem ao nosso lado. Jefferson tem um corte profundo no braço que sangra muito e ele tenta estancar pressionando firme com a mao. Antes que eu possa ir ate ele um vortice negro se abre violento e nos suga para dentro. A dobra negra da escuridao ao seu redor. Cuidado para nao se perder. Agarre o que é precioso. Antes que tiremos de voce. Esculto vozes estilhaçadas ao meu redor repetindo sem parar a mesma rima enquanto as dobras do tempo se dissolvem de minha mente. Quando abro meus olhos ainda está totalmente escuro. Tomo consciencia do Stin em minha mao e a espada dourada aparece iluminando ao meu redor. Vejo os meus companheiros ao meu lado que me olham de repente. Marcelo clica em seu Stin e sua espada reluz a sua frente. Um tremor percorre os meus braços e eu gostaria de nao ter olhado em frente nesse momento.
As luzes do corredor se acendem uma a uma por uma brisa de fogo. O ar se torna mais gelado e pesado e posso ver minha respiracao se condensar como se eu estivesse em uma camara frigorifica. As sombras do outro lado da sala tremeluzem e elas tomam formas. Tantos Damns quantos sou capaz de contar aparecem delas. No maximo 10 deles infileirados lado a lado. Eles nos olham como se quisessem rosnar para nos, mais animais que espiritos. Dois deles se afastam e uma silhueta conhecida emerge. Juliana se aproxima alguns metros ate que consigamos enxerga-la em meio as trevas.
- Pensei que teria que ir ate voces.
Ela sorri afetuosamente como se fossemos todos velhos amigos. Ela parece a minha copia negra. Sua roupa é identica a minha e so difere na cor. Ela esta com roupas tao negras quanto a propria treva. Seus cabelos longos tambem estao da mesma cor e a pele em um tom de branco quase palido.
- Desculpe se te fizemos esperar. - eu lanço as palavras contra ela rispidamente.
- Laura, como é saber que sua mae esta a poucos passos daqui e que voce nao pode chegar ate ela? - ela joga a cabeça para tras parecendo estar possuida e gargalha.
- Nao sera tao bom assim quando a minha espada encontrar a sua garganta! - me impulsiono para frente, mas Bianca me agarra o braço.
- Ainda precisa de guardas, querida? Porque nao vem ate aqui provar sua valentia, Overrun?!
- Cale sua boca! Porque nao lutamos logo para ver quem é a melhor aqui?
- Antes disso quero que tenhamos uma conversa civilizada. Eu tenho plena certeza da minha vitoria. Fui treinada pelo melhor.
- O Tirank? - eu cuspo. - Onde esta ele agora?!
- Voce achou mesmo que ele iria cuidar de pulgas como voces pessoalmente? Para isso, eu estou aqui.
- E voce quer conversar exatamente sobre o que se posso saber? - ela se move a minha frente de um lado para o outro.
- Quero lhe contar a verdade sobre mim. Se vou lhe matar isso é o minimo que posso fazer por voce.
Quando ela vê que nao respondo, prossegue em sua explicacao.
- Eu pensei que voce nunca fosse descobrir que ele era seu Gleam. Eu te deixei vir ate mim e ouvir minhas conversas.
- O tempo todo era voce?! - falo com raiva.
- Claro. Ou voce nunca chegaria ate aqui. Bem, eu queria que voce se tornasse uma Overrun para que eu pudesse ter meu lugar de direito.
- Voce... você é uma Trihair. Eu nao pensei que fosse verdade. - Leandro resmunga ao meu lado.
- Sim. Voces tem uma lenda e nos tambem. E eu so precisava que essa fedelha tomasse o seu proprio lugar no rumo das coisas. Eu sou uma caçadora de Overruns.
As palavras me atingem como balas e tudo se encaixa. Me sinto como uma marionete conduzida pelos demonios. Eles me usaram o tempo todo para conseguirem o que queriam.
- Voce é o meu oposto. Entao, Tirank é o seu acompanhante?
- Sim. Mas hoje nao preciso dele para matar voces. Eu so preciso disso.
Do seu cinto, ela tira um Stin semelhante ao meu. Uma espada começa a surgir e a lâmina é tao negra quanto a propria noite. Ela brilha com uma luz azul escuro e quase posso ouvir gritos ondulando o ar vindos dela.
- Se isso encostar em voces sera como a minha com eles. - falo para meus anjos.
- Sua hora chegou, Laura! A hora de todos voces desempenharem seus papeis.
Ela se volta para as sombras e a luz do corredor se apaga. Nao posso distinguir mais do que dois palmos a minha frente com a luz da espada. Olho para Marcelo em uma conversa silenciosa e eu espero que sejamos o bastante para protege-los.
Sinto uma dor de repente as minhas costas e sou arremessada. A dor se move por minhas costelas, mas me obrigo a me levantar em um salto. Um damn vem ate mim e tenta acertar um soco em meu rosto e eu desvio dando um chute em sua barriga. Trago a espada para frente enquanto ele se recupera e a nevoa sobe para o teto. Procuro por alguem para ajudar e vejo Marcelo cercado por tres Damns. Bianca esta lutando contra Juliana e Jefferson se uniu a Leandro e estao lutando contra um Damn. Tento ir em direçao a Bianca quando um Damn me agarra o braço e me vira desferindo um soco em meu nariz. Sangue desce por meu rosto e eu o limpo. Ergo a espada e a lanço contra ele. Velozmente ele desvia de lado e aplica um chute em meu braço tentando desistabilizar a mao que segura a espada, mas nao consegue. Circulamos um ao redor do outro nos estudando. Deixo que ele tente o primeiro golpe e ele se move para perto e da um salto com um tipo de chute circular que atinge minha mao ja dolorida e a espada é arremessada para longe. Corro para pega-la e ele vem logo atras. Juntando as maos em um punho, ele acerta minhas costaa e eu caio ofegante no chao a centimetros do cabo da espada. Me viro de barriga para cima enquanto meus pulmoes clamam por ar. O Damn se abaixa ao meu lado e me imobiliza debaixo do seu peso. Ele tira uma especie de faca da calça e a mostra sorridente para mim. Fecho os olhos em antecipacao. Quando sinto o peso dele se dissolver, abro os  olhos e vejo Marcelo em pe a minha frente. Ele me ajuda a me levantar e assim que sua mao toca a minha um impulso de energia passa atraves do meu braço para o restante do meu corpo.
- Procure Jefferson e Leandro e os ajude vou procurar Juliana. - falo.
- Eu vou com voce.
- Nao. É o meu destino nao o seu.
Ele me olha por alguns segundos, acente e volta para a escuridao. Ouço sons de batalhas para todos os lados. Me esquivando de Damns e os matando facilmente encontro Juliana agachada sobre Bianca pronta a descer a espada sobre ela.
- Pare! - eu grito e me lanço contra ela lhe acertando um chute lateral e ela cambaleia para longe. - Saia daqui,Bianca. Deixe que eu cuido dela.
Ela se levanta com um pouco de dificuldade e corre em direcao ao som de luta mais perto. Juliana se levanta me dando um sorriso presunçoso.
- Vejo que voce é dura na queda. - ela diz a poucos metros de mim com a espada erguida em defensiva.
- Tanto quanto voce.
- Seu sangue e o dela serao derramados aqui e agora e voces jamais encontrarao a saida.
Ela se abaixa se transformando em um lobo negro. Ela se move com rapidez ate mim e me jogo no chao e rolo quando ela salta para mim. Me metamorfoseio em tigre. Meus olhos amarelos produzem luz a frente tanto quanto a minhas espada. Juliana tambem nao consegue se manter imperceptivel com o brilho azul escuro nos seus. Circulamos uma ao redor da outra rosnando e arreganhando os dentes. Ela para repentinamente e uiva. Ouço uivos dos Damns que restaram em resposta. Eu rujo o mais alto que posso e os meus companheiros fazem o mesmo. Juliana corre e salta para mim e eu para ela. Nos encontramos em meio a patadas e garras. Ela me joga de lado com o impacto e corre para mim antes que eu me levante e morde uma das minhas patas. Sinto o veneno circular por ela e a arranco de sua boca de uma vez o que me causa muita dor. Tentando ser indiferente a isso me jogo contra ela e mordo sua garganta. Ela gane e se sacode tentando se soltar, mas aumento o aperto. Ela me da patadas fortes enquanto meu veneno percorre seu corpo e acaba se soltando e me da uma patada em um dos meus olhos e deixa uma cicatriz profunda.
Ouço ganidos por todos os lados sem saber quem esta ganhando ou perdendo. Vejo luzes azuis e amarelas subindo e descendo no ar e percebo que estamos empatados. Olho para Juliana e vejo que arranquei um pedaço de carne no seu pelo negro onde mordi. Ela rosna para mim e vem ao meu encontro. Pulo de lado e mordo o seu rabo e jogo o seu corpo perto e salto sobre ele. Sinto sua respiracao fraca e mordo no mesmo ponto em sua garganta. Esculto sua voz se formar no fundo da minha mente:
- Isso nao sera o bastante para me matar. Nao aqui e nao agora.
Levanto minha cabeça de seu pescoço e vejo-a deslizar por entre um ralo. Uma inscricao nele me chama a atençao e leio a palavra saida. A coloquei sobre a fechadura de saida.
Me transformo em mim mesma, ergo a espada a minha frente e corro para a proxima luta. Quando chego perto de Jefferson que esta transformado em tigre o Damn se dissolve. Ele volta a ser ele de novo enquanto a nevoa negra rasteja pelo chao. Bianca, Marcelo e Leandro vem ao nosso encontro.
- Eles fugiram! - eu falo com raiva.
- Acabou o nosso tempo. - Marcelo fala.
Quando suas palavras fazem seu caminho ate meu subconsciente me lembro da minha mae e corro em direcao ao corredor. Ouço os passos dos outros atras de mim quando chego a porta. Ergo a espada e corto com um golpe a fechadura e a porta abre. E para minha surpresa e conforto, ela ainda esta la.

[Drawing Day] Peeta

Olá, pessoal!
No #DrawingDay de hoje trago ease desenho que fiz do Peeta em seu traje de noivo usado em Catching Fire. Espero que gostem!

terça-feira, 18 de março de 2014

[Overrun: A Descoberta] Continuação do Capitulo 16

No ultimo dia de nosso treinamento nos reunimos em um circulo no terraço para descutirmos o que fariamos no dia seguinte. Jefferson senta ao meu lado e pega minha mao entre as suas e a coloca o mais perto de si. Me sinto nervosa e meu estomago revira varias vezes. Depois de 2 meses de afliçao, procura e revelacoes, estou indo buscar minha mae. Eu nao sei o que farei depois disso, mas saber que ela estara bem e sobre meus cuidados me da força para seguir em frente. Nos olhamos os cinco afetuosamente e Marcelo toma a palavra:
- Amanha iremos resgatar a mae da Laura finalmente. Nao duvidem por nenhum momento que iremos conseguir. Estamos preparados e daremos nosso melhor. - ele cruza as maos a frente de si. - Jefferson e Leandro irao causar uma distracao para os Damns se afastarem de uma das portas do selo. Eu e Laura iremos abri-lo e Bianca ira ficar de guarda. Quando eu consegui abrir falarei mentalmente com Leandro para voces dois fazerem uma dobra para onde estamos e entrarmos. Entao, a parte mais dificil tera inicio. Teremos que derrotar os Damns que estao la dentro de guarda e so depois disso conseguiremos pegar a mae da Laura. Depois que entrarmos so teremos uma hora para que nenhum outro demonio possa entrar ou sair do lugar. Depois disso eles poderao chamar reforços.
- Como vamos sair de la com a mae da Laura? Provavelmente tera varios deles esperando por nos do lado de fora. - Jefferson indaga.
- Bem, eu,Bianca e Marcelo faremos uma dobra conjunta. Vamos esta fracos por conta da luta, mas sei que conseguiremos. Somos os tres de hierarquias diferentes e isso tras mais poder para manobra.
- Vamos nos transportar para onde? Ela precisa dos aparelhos de la para ficar viva. - falo.
- Vamos aparecer em um dos quartos vazios de um hospital particular que eu visitei com Jefferson.
- E como vamos pagar? Voces nao podem fazer dinheiro aparecer.
- Eu vendi a minha moto. - Jefferson sorri amavelmente para mim e sorri-o de volta para ele.
- E se por um acaso alguem de voces tres for... quer dizer, e se algum de voces tiver a essencia levada? - pergunto.
- Se isso acontecer, entao teremos que escapar de la sem a sua mae. Nao iriamos conseguir sair de la sem pelo menos 3 anjos na manobra. - um bolo se forma em minha garganta e tento afastar meus pensamentos para longe. - Qualquer duvida voces podem me perguntar mentalmente durante a batalha. Menos Jefferson, é claro.
- Engraçadinho. - Jefferson resmunga ao meu lado e eu rio.
- Vamos todos descansar para amanha. Iremos ainda durante a madrugada. Durmam de preferencia com a roupa que irao usar amanha.
Todos assentimos e nos deslocamos para dentro. Ainda é cedo demais para que eu consiga dormir e remexo em minha caixa com Jefferson ao meu lado. Termino ficando irritada e jogo ela sobre a cama.
- Calma, Laura. Se martirizar hoje nao ajuda voce em nada. - ele me aconchega em seu colo e sinto o calor erradiar atraves da sua camiseta.
- Eu estava aqui pensando que eu nao tive mais nenhum sonho com ela ou eles mais.
- Talvez nao seja mais necessario. Ja sabemos que eles estao nos esperando e que ela esta relativamente bem. Nao pense nisso.
- Voce acha que Juliana estara com uma dezena de Damns nos aguardando do lado de dentro?
- Provavelmente, sim. Amanha é o nosso ultimo dia do prazo que ela nos deu. Ela sabe que voce nunca ia desistir da sua mae. Ainda mais que agora voce é uma Overrun.
- Eu quero te confessar uma coisa, Jefferson. Eu... eu estou com medo de que ela me derrote ou que eu perca algum de voces amanha. Eu nao poderia viver mais sem voces. Melhor dizendo, sem voce. - ele me abraça mais forte e me beija suavemente.
- Isso nao vai acontecer. E eu ainda sou o menor dos problemas. Mesmo que eu acredite que vamos conseguir quero que voce me prometa uma coisa.
- O que voce quiser.
- Voce nao ira desistir se eu por um acaso morrer. Voce ira salva-la para que nao seja em vao. Prometa!
- Eu prometo. - digo mesmo sabendo que seria tao ruim deixa-lo quanto seria deixar minha mae para tras.
- Levante. Temos que escolher nossas roupas e vesti-las.
Nos levantamos e Jefferson acaba me convencendo a deixa-lo escolher minha roupa depois de me ameaçar me fazer cocegas. Ele me tras uma jaqueta de couro branca, uma regata preta e uma calça jeans branca. Reviro meus olhos para ele consciente de que ele deve ter pedido elas para Leandro. Em troca de ele escolher as minhas posso escolher as dele. Pego uma camiseta preta justa e uma calça jeans escura. Ele a veste imediatamente e observo seu corpo tao bem delineado e esculpido. A camiseta realça seus musculos agora bem maiores do que quando o conheci. Ele me da um sorriso maldoso quando percebe meus olhos fixos nele.
Nos deitamos e nao consigo me sentir confortavel com tantas roupas e so me viro de um lado para o outro. Quando chega a meia noite fico muito cansada para me debater e durmo.

                    +++

Sou acordada algumas horas depois por puxoes de leve. Jefferson me encara e beija minha bochecha e sussurra um bom dia. Me ponho de pé extramamente consciente do que me aguarda a seguir. Ao redor da mesa, Marcelo, Leandro e Bianca nos encaram quando entramos. Nos dao expressoes contentes como se fossemos para um passeio e nao para um resgate. Tento sorrir para eles de volta, mas sai algo mais como uma careta. Me sento junto a eles e remexo o cafe sem parar. Meu estomago remexe provocante e sinto como se fosse vomitar. Ainda assim empurro um pouco de iogurte e pao para dentro. Olho pela janela e esta escuro ainda. Provavelmente eu nao dormi mais do que 3 horas.
- Temos que ir. - Leandro fala.
- Nos vamos como? Dobra de viagem? - pergunto.
- Sim. E vamos separar nessa hora. Lembrem do plano e fiquem atentos em mim. O que eu mandar sera lei quando chegarmos la. Nao quero ter que deixar nenhum de voces para tras. - Marcelo fala.
Quando os outros seguem para sala, ele me puxa para um lado e me da um tipo de cinto para colocar ao meu redor como uma bolsa de lado. Ele é dourado e tem alguns bolsos e tiras para pendurar coisas. Depois de analisar um pouco mais o objeto de borracha que se trasnforma  em espada/bastao descobri uma inscricao nele, Spin. O coloco em um dos bolsos da frente e engancho a adaga em uma das tiras.
- Como se sente? - Marcelo pergunta em um tom normal.
- Ansiosa, com medo e nervosa.
- É aceitavel. Voce entendeu o plano? - ele diz enquanto arruma o cinto em mim.
- Acho que sim.
- Nao se distancie de mim. Quero ter meus olhos grudados em voce. Vamos.
Noa juntamos aos outros na sala. Abraço Jefferson com força consciente de que nao o verei quando chegarmos la por um tempo. Ele me afasta, olha em meus olhos tranquilamente e coloca um cacho atras da minha orelha. O beijo brevemente antes de me voltar para Marcelo e Bianca.
- Tentem fazer o maior estrago possivel. Precisarei de 15 minutos para quebrar o selo. - Marcelo fala para Jefferson e Leandro.
Formamos dois circulos e damos as maos. Os canticos de Bianca e Leandro enxem o ar e ele ondula ao nosso redor. Antes de ser trasnformada em nevoa meus olhos encontram o de Jefferson por um momento e tenho a certeza que tudo dará certo.
Meus olhos se abrem no momento em que alguma coisa roça meu rosto. Estamos camuflados por galhos de uma arvore. Pelo canto dos olhos vejo Bianca e Marcelo ao meu lado. Eles fazem sinal para que eu nao fale nem me mova. Eles se abaixam analisando a regiao e saltam no chao em um baque surdo. Estou a provavelmente dois metros do chao, mas salto com levez e sem provocar nenhum ruido. Estamos em um dos lados da casa de Juliana. Esta muito escuro para que eu possa ved muita coisa, mas acabo distinguindo a janela do quarto dela. Bianca e Marcelo deslizam velozmente a minha frente e se agachao embaixo da janela. Pego o Spin do meu bolso e o seguro firme em minha mao.
Ouço sons de luta vindos da frente da casa e sei que essa é a nossa deixa. Assim que vamos em direcao a cozinha um Damn aparece no nosso campo de visao. Clico no Spin para que a espada apareça e ela reluz em ouro iluminando o caminho a frente. Bianca consegue imobilizar o Damn por tras e o joga aos meus pes no momento em que desço a espada para baixo. Acerto a cabeça dele e nevoa negra surge aos meus pés e é sugada pela terra. Sem ter momento para reaçao seguimos beirando a parede. Uma das entradas para o selo fica debaixo da janela da cozinha. Dois Damns fazem a guarda e assim que dobramos para la, eles estao parados a nossa espera. Marcelo se lança para um e eles caem no chao. Bianca da um chute no estomago do outro que cai a alguns metros. Me concentro em ajudar Bianca e empurro-a para o lado, me lanço para o ar em um salto longo e desço a espada sobre o peito do Damn assim que ele levanta. Quando me volto para tras vejo a nevoa sumir aos pes de Marcelo e vejo sua espada brilhar em suas maos. Corro ate eles e ajudo Bianca a ficar de guarda enquanto Marcelo procura a fechadura para abrir a porta para o Shelter.
Passasse varios minutos ate que eu consiga ouvir alguma coisa. Esculto de repente um grito agonizante e reconheço como o de Jefferson. Me desespero e tento correr pelo lado que viemos, mas Bianca agarra meu braço e me para. Ela decide ir em meu lugar e desaparece na escuridao ao meu lado. Volto para o lado de Marcelo quando vejo uma silhueta negra espreitando em uma arvore do outro lado do quintal. Me coloco em postura defensiva com a espada erguida a minha frente e caminho em direcao a ela aos poucos. O Damn se materializa a alguns metros de mim e avanço para ele com agilidade. Antes qus conaiga atingi-lo, ele se materializa as minhas costas e me puxa em uma chave de pescoço. Em um movimento tao sobrenatural quanto a fonte de meus poderes tomo impulso com um dos meus pes, bato minha cabeça no queixo dele dando um salto inverso sobre ele. Afundo minha espada em suas costas e a nevoa foge para a terra.
Me viro quando ouço estalos as minhas costas. Dois Damns se aproximam de Marcelo que esta agachado no chao de costas para nos. Sinto uma força me empurrar para frente e corro a toda velocidade. Eles escultam meus passos e se viram furiosos. Eles se metamorfoseiam em dois grandes lobos negros e correm em minha direçao. Antes que eu consiga pensar no que estou fazendo me abaixo me transformando em um tigre branco. Eles saltam em minha direçao e me esquivo para um lado e volto a cabeça para agarrar um deles pelo flanco. Quando meus dentes acertam a carne em seu pescoço ele vira nevoa. Olho para o brilho das minhas garras que estao no mesmo tom da lamina da minha espada como se ela tivesse se unido a mim.
O outro lobo me estuda por alguns segundos mostrando as presas e rosnando. Me lanço sobre ele e rolamos em uma confusao de pelps brancos e negros. Ele consegue acertar uma mordida em minha orelha e a dor é lacinante como se pegasse fogo na ferida. Acerto minha pata em seu focinho ferozmente e ele se transforma em nevoa. Me levanto nas patas traseiras voltando a ser eu mesma de novo. Alguns arranhoes percorrem meus braços. Caminho para Marcelo no momento em que ele consegue destrancar o selo.
- Vamos entrar. - ele fala.

segunda-feira, 17 de março de 2014

[Overrun: A Descoberta] Capitulo 16

Depois de estarmos todos reunidos na sala, abro a caixa. Ela é mais funda do que aparenta. Pego a Twin branca em minha mao e me assusto quando a que esta no meu braço se desfaz em um pó dourado que uma brisa vinda do nada despersa. Bianca me encara um pouco triste e acabo ficando um pouco tambem. Eu pretendia guarda-la como uma lembrança dela e do começo de tudo, mas vejo que nao posso. A Twin é exatamente como a outra e so mudou o nome que agora é o de Marcelo junto ao meu. Em seguida, pego um pequeno objeto preto e redondo de borracha do tamanho exato da minha mao. Observo no meio dele dois botoes. Um verde e um azul. Olho para Marcelo e ele da de ombros tao confuso quanto eu. Decido clicar no botao com verde com a letra B. O objeto começa a vibrar e de suas extremidades saem pontas de madeira. Afasto-a um pouco do corpo enquanto as pontas aumentam de tamanho e percebo que se trata de um bastao. Me levanto e pecebo que o bastao é muitos centimetros maior do que eu e que daria para praticar salto com ele por a madeira see bastante flexivel. Testo apertar o botao novamente e o bastao se retrai.
- Tente o outro. - ouço Leandro dizer.
Clico no botao azul com a letra E e ele volta a vibrar. Da extremidade inferior surge um apoio dourado de ferro e da superior vejo a lamina de uma espada surgir. Ela é comprida e reluz como se fosse de ouro. Marcelo levanta e a pede para olha-la mais de perto.
- Se voce atingir qualquer demonio com ela a essencia dele vai ser levada. Ela é feita de um material especial e eu numca havia visto ele na terra, apenas no lugar de onde viemos. So Gleans usam uma feita desse material.
Ele clica e ela volta a ser apenas o cilindro de borracha. Nao tento pensar no porque de ter sido agraciada por algo tao especial e volto minha atençao para a caixa. Em cima do Book Rule esta uma adaga que eu nem tinha notado antes. Pego-a e tiro a capa de couro que a protege. Ela é do tamanho de uma faca de cozinha com a lamina de prata com desenhos abstratos inscrustados nela. O cabo é uma mistura de preto e dourado o que da um ar medieval a ela.
- Linda! - falo maravilhado passando-a de uma mao para a outra testando o peso.
- Duas armas. Você é mesmo especial! - Jefferson fala dando batidinhas em meu ombro.
Dou a adaga para ele olhar e tiro o book rule e o coloco ao meu lado e a caixa fica vazia. Um fio vermelho me chama atençao no fundo e o puxo. Uma tampa falsa se levanta e embaixo vejo uma caixa branca menor. Abro-a e de dentro retiro um colar. Ele é de ouro e a corrente fina. Um pingente em forma de chave repousa sobre ela. Quando acaricio a chave ela brilha e sinto um formigamento na ponta dos dedos. Percebo que ela nao tem nenhum "dente" e sim um espaço aberto no lugar deles e ela é dobravel.
Jefferson me ajuda a coloca-lo no pescoço junto com o colar que ele me deu. Nao consigo tirar ele a nao ser para tomar banho. E resolvo usar os dois. Olho para Marcelo que esta mexendo no seu proprio colar. A chave do pingente dele é ligeiramente maior que a minha.
- Voce nao tinha me falado que ganhou um colar. - falo.
- Eu nao tinha ganhado. Apareceu agora.
- Ah sim. Eu me sinto meio desconfortavel com essas armas. Nao sei se terei coragem de usa-las.
- Se estiver com medo de ter que matar um Damn com ela saiba que se essa espada for tocada com força em qualquer demonio ele desaparecera em uma nevoa. Nao vai ser como matar um humano.
- Me sinto aliviada ouvindo isso. E eu posso matar alguem mais com ela?
- Nao. Ela vai passar direto por qualquer humano, animal ou anjo. Deve ser por isso que sua agada é em outro material.
- Espero profundamente nao precisar usa-la! - falo rindo. - Vamos treinar mais hoje?
- Nao. Por hoje esta bom.
- Essa chave do colar serve para que? - pergunto olhando para o brilho dourado dela.
- Para quebrar selos. Qualquer um. Basta ergue-la perto de uma redoma que aparecerá uma fechadura e voce destranca a passagem. A sua é uma versao menor da minha e por isso so abre selos intermediarios.
- Entao, nao posso abrir o selo onde aprisionaram minha mae?
- Nao. So a minha consegue isso. - ele olha para a mim parecendo cansado. - Precisamos descansar. Agora falta pouco para trazermos ela de volta. Nao se preocupe,Laura. Nos vamos conseguir!
Ele passa por mim e me da um sorriso e se agacha se tranaformando no lobo branco e se deita ao lado do sofá. Jefferson esta maravilhado com minhas armas e nao consegue tirar os olhos delas. Leandro desapareceu e Bianca esta sentada no outro sofa cabisbaixa. Me levanto e vou ate ela e a puxo para o terraço.
- Eu sinto que te devo uma explicaçao, Bianca. - digo olhando em seus olhos negros e ela pega uma das minhas maos.
- Por que?
- Por que eu sinto como se tivesse te trocado pelo Marcelo. Quer dizer, eu troquei, mas nao foi porque eu quis. Eu so quero que voce saiba disso.
- Eu sei,Laura. O destino quis assim. Alem do mais, eu nao poderia ser uma Overrun.
- Por que?
- So anjos do sexo masculino podem.
- Hum. De qualquer forma, eu gostaria de ter voce por perto. Voce é importante para mim. Foi quem me mostrou esse mundo primeiro, quem estava la quando minha mae foi levada. Eu simplesmente nao quero ter que te ver virando uma nevoa e indo.
- Eu tambem nao gostaria de ir, mas outra pessoa pode precisar de mim assim como voce precisou um dia. Eu ainda nao acabei com o que tenho que te ajudar e vou dar o meu melhor por voce.
- Eu agradeço muito por todos voces. Muito mesmo.
Nos abraçamos e eu acabo chorando. Eu nunca poderia imaginar como tudo isso poderia se tornar tao especial e significativo para mim. Eu vou ser a unica garota do quarteto depois que ela se for e eu sinto como se eu fosse ficar totalmente deslocada. Mas eu sei que minhas lembranças nunca poderao ser apagadas e nem as delas. E algo me diz que ela nao ira sair da minha vida totalmente. É estranho, como um pressentimento.
Esculto os passos de Jefferson e ele me abraça por tras quando me desvencilho de Bianca. Sentamos os tres no terraço olhando o céu e conversando sobre qualquer coisa que nao tenha a ver com nossa jornada. Como se por um momento fossemos normais.

                       +++

Nos tres dias que antecedem o nosso resgate, eu e Marcelo treinamos como loucos. Me sinto cada dia mais forte e confiante. Tudo que me ponho a fazer parece tao facil como se eu ja soubesse de tudo. So esta la encubado esperando que o use. Luto ferozmente e na maioria das vezes consigo derrotar Marcelo facilmente, treino com a espada sozinha enquanto Marcelo me da dicas de como me portar em relacao a ela e tento melhorar meu desempenho em conseguir afastar forças espirituais. No ultimo dia treino a manobra Battle Choss. Como sou uma Overrun nao posso mais ser "possuida" por meu acompanhante ou por outro demonio. 
Isso me alegrou muito por que vou poder lutar por mim mesma. Nao apenas sendo manipulada e vendo o que acontece. Eu vou poder escolher com quem lutar e como vou fazer isso. Jefferson ficou um pouco chateado por nao conseguir o mesmo. Ele me disse que gostaria muito de poder lutar por si mesmo e eu o entendo claramente por que sei como ele se sente.
Depois de todos os treinamentos eu procurei ficar sozinha sempre que pude. Marcelo frequentemente me observava curioso, esperando por alguma coisa que eu nao entendo o que é. As vezes, ele se deita aos meus pés como lobo e dorme tranquilamente. No sexto dia, ele parou ao meu lado e disse que tinha sentido que ele era mais que um acompanhante de uma Overrun ou do que um Quest. Ele se sentia como uma misturia das tres hierarquias e acima de todas ele queria ser um Slaver. Ele sentia a necessidade de me proteger. Eu fiquei em silencio por que nao sabia o que dizer. Ele sorriu para mim atrapalhado e saiu me deixando confusa. Entao, eu entendi que isso poderia ser um aviso que eu ainda poderia correr muitos perigos.

[Parceiro] Lançamentos do mês de Março - V&R Editoras

Em clima de Copa do Mundo, V&R Editoras lança “1000 curiosidades do mundo da bola que todo craque deveria saber”
Publicação reúne mil casos
curiosos envolvendo jogadores,
técnicos e partidas das mais diferentes épocas e nacionalidades

FICHA TÉCNICA:
Título: 1000 curiosidades do mundo da bola que todo craque deveria saber
Autores: Aníbal Litvin
Número de páginas: 280
ISBN: 978-85-7683-653-7
Público-alvo: geral
Formato: 83 x 117mm
Acabamento: brochura
Preço: R$ X,00
A V&R Editoras lança, neste mês,
uma publicação especial para os
amantes de futebol. 1000 curiosidades do mundo da bola que todo craque deveria saber,
do escritor e jornalista argentino
Aníbal Litvin, reúne curiosidades
sobre jogadores, partidas e técnicos das mais diferentes épocas e nacionalidades, além de muitos casos de Copas do Mundo passadas.
Organizada por tópicos de 1 a
1000, a obra fornece ao leitor
informações, curiosidades, fatos marcantes, histórias engraçadas e conquistas que aconteceram desde meados de 1800, quando o esporte nasceu, até os dias de hoje.
O leitor conhecerá, por exemplo,
que “O registro mais antigo sobre
o futebol data de 1894, quando
Nettie Honeyball, uma ativista dos
direitos da mulher, fundou um clube esportivo: o British Ladies Football Club”, e curiosidades como “Uma bola de futebol perdida durante o Tsunami que afetou o Japão em 2011 foi encontrada no Alasca 2 anos depois”.
Além de informativo, o livro com
certeza divertirá os leitores com
algumas preciosidades que fizeram história:
O jogador alemão Lukas Podolski
disse: “O futebol é como o xadrez, mas sem o dado” (É evidente que ele sabe mais sobre futebol do que sobre xadrez).
Poucas pessoas sabem, por
exemplo, que, até 1866, só era
permitido aos jogadores dar passes para trás, como no Rugby. Conhecerá declarações desastrosas como a do técnico da
Espanha na Copa do Mundo do
Chile, em 1962. Pelé se machucou e foi substituído por Amarildo para jogar contra a Espanha. Antes da partida, o
técnico espanhol tinha declarado:
“Sem Pelé, o Brasil é fraco, quem é Amarildo?” E o Brasil ganhou de 2 a 1... com gols do Amarildo.
E quem imaginaria que o músico
Bob Marley fazia questão de jogar
uma partida de futebol antes de suas apresentações como forma de aliviar a tensão? Estas e outras curiosidades podem ser encontradas em 1000 curiosidades do mundo da bola que todo craque deveria saber, que chega às livrarias brasileiras em março.

Sobre o autor:
Nascido em Buenos Aires,
Argentina, Aníbal Litvin é jornalista, roteirista,
humorista e produtor, tendo
participado de uma série de
produções de sucesso em seu país. Entre os mais de 15 títulos de sua autoria, estão:
1000 coisas inúteis que um garoto
deveria saber antes de crescer; 369 curiosidades sobre sexo; Quase 1000 absurdos de todos os tempos, Quase 1000 dados nojentos para saber que este mundo é imundo, entre outros,
todos editados pela V&R Editoras.

A V&R Editora lança também “A arte da cozinha italiana”.
A obra é uma viagem
extraordinária pela cozinha clássica italiana, na companhia de grandes chefs, que reúne uma herança conjunta de inestimável
valor histórico e cultural,
transmitida de geração para
geração

FICHA TÉCNICA:
Título: A Arte da Cozinha Italiana
Autor: Mario Grazia e Maria Grazia
Villa
Formato: 23,5 x 35,6 cm
Nº de Páginas: 304
Capa: Brochura
ISBN: 978-85-7683-559-2
Preço: R$ 159,90

A V&R Editora traz para o Brasil,
em março, o livro A Arte da
Cozinha Italiana, uma viagem
extraordinária pela cozinha clássica italiana, na companhia de grandes chefs da renomada Academia Barilla. A
cada receita, foi explorado um mosaico de tradições que constituem uma herança conjunta
de inestimável valor histórico e
cultural, transmitida de geração
para geração. A cada página, o leitor conhecerá a história, tradição e costumes à mesa da cultura Italiana.
Com receitas regionais de norte a
sul da Itália, selecionadas a dedo
pelo Master Chef Mario Grazia, professor e diretor da Academia Barilla, a obra é uma homenagem a arte de comer bem e ao inigualável talento de uma
terra amada por todos nós. A Arte da Cozinha Italiana reúne receitas diferentes, saudáveis, ricas e apetitosas, que variam de cidade para cidade, de região para região, trazendo os diferentes
formatos de massas e recheios,
pratos principais que levam o nome dos lugares (à veneziana, à milanese, à modenese) ou ainda que adotam o nome original no dialeto da região esobremesas que são feitas com ingredientes de produção local.
A culinária italiana é resultado de
receitas simples que foram
passadas, por meio da tradição oral, de geração para geração e depois adaptadas pelos restaurantes até chegarem às
nossas mesas. Separadas em
aperitivos, entradas, pratos principais, vegetais e legumes e sobremesas, cada uma das 130 receitas escolhidas, traz consigo um breve histórico, peculiaridades e influências regionais, com textos de autoria do Master Chef Mario Grazia e
de sua esposa Maria Grazia Villa.
Ideal tanto para iniciantes em
gastronomia quanto para
profissionais do ramo, cada uma
das receitas conta com a avaliação do grau de dificuldade de seu preparo, que varia de um a
três.
As fotografias que acompanham e
dão vida a cada uma das receitas
são de autoria de Alberto Rossi – fotógrafo italiano especializado em gastronomia – do próprio Mario Grazia e do também Chef e professor de gastronomia Luca
Zanga.

A V&R Editora lança também o livro “A fenda branca – as cores de Madeleine”, de Jaclyn Moriarty
Segundo o autor do bestseller “A
menina que roubava livros”,
Markus Zusak, “Jaclyn Moriarty é uma das escritoras mais originais de nossa geração”

FICHA TÉCNICA:
Título: A fenda branca – as cores
de Madeleine
Autor: Jaclyn Moriarty
Formato: 21 x 29,7 cm
Nº de Páginas: 336
Capa: Brochura
ISBN: 978-85-7683-624-7
Preço: R$ 39,90

A V&R Editoras lança, em março, o
livro A fenda branca – as cores de
Madeleine, primeiro volume da
trilogia da escritora australiana
Jaclyn Moriarty, aclamada pela crítica internacional como um dos
principais nome da narrativa fantástica contemporânea.
As aventuras, descobertas e
conflitos de dois adolescentes que
vivem em universos paralelos é o tema central da narrativa. De um lado, no reino fantástico de Cello, um lugar mágico, permeado por feitiços, abóboras, cores que tem vida própria – algumas boas e outras más – e estações do ano
que mudam subitamente, vive
Elliot Baranski, 15 anos. O garoto
está à procura de seu pai, desaparecido na mesma noite em que seu tio foi morto.
Nas ruas de Cello, correm boatos
de que seu pai assassinou o irmão
e fugiu com a professora de física, mas o jovem recusa-se a acreditar nesta versão e está determinado a descobrir a verdade.
Em outra realidade, na cidade
chuvosa e cinzenta de Cambridge,
na Inglaterra, vive a garota
Madeleine, que guarda segredo
sobre o seu passado misterioso. Madeleine e a mãe fugiram – sob circunstâncias não esclarecidas
– da vida rica que levavam ao lado
do pai e se instalaram nas
extremidades de Cambridge, onde levam uma vida muito simples.
Separados por mundos diferentes,
suas histórias se unem com a
descoberta acidental de uma fenda que funciona como um portal entre as duas realidades. Ao voltar para casa de bicicleta em um dia qualquer, Madeleine
se depara com algo que chama sua
atenção: de dentro de um buraco
em um parquímetro quebrado, a menina retira uma carta dobrada
cuidadosamente com uma mensagem enigmática. Por
meio desta fenda, que há muito
tempo não se abria, os protagonistas passam então a se corresponder.
Embora vivendo em realidades
diferentes, os dois passam a se
ajudar mutuamente, em uma corrida contra o tempo, para desvendar os mistérios que
os atormentam antes que seja
tarde demais. Comovente, sutil e engraçado, o estilo de Jaclyn Moriarty alterna diálogos em primeira pessoa, narrativas em
terceira pessoa, cartas, recortes de jornais e dá significado a fatos que vão surgindo no decorrer da
história, e que, a princípio, parecem aleatórios para o leitor. Fantasia, magia, ciência, aventura, mistério, elementos que prendem a atenção e agradam
crianças e adultos, compõem a
fórmula do sucesso internacional
da autora.

Sobre a autora:
Jaclyn Moriarty nasceu na
Austrália e escreveu seu primeiro
romance com 7 anos de idade. Passados vários anos, formou-se em língua inglesa na Universidade de Sidney e direito em Yale. Fez doutorado em direito em
Cambridge e passou a trabalhar
como advogada em Sidney. Nesta
época, publicou seu primeiro livro, Feeling sorry for Célia (2000). Atualmente, vive em Sidney com seu filho. Abandonou o direito e tornou-se escritora em
tempo integral. Este é seu 8º livro.
Para saber mais sobre a autora e
sua obra acesse:
www.jaclynmoriarty.com/

[Resenha] O Porco Entre os Peixes - Jasmin Ramadan

Publicado pela Editora: 8Inverso
Li em formato: físico (cortesia)

Sinopse:
Multiculturalismo, identidade,
escárnio às convenções sociais. Estes são alguns dos traços que resumem a história do romance O Porco Entre os Peixes, da escritora alemã Jasmin
Ramadan e segundo título da autora publicado no Brasil. O anterior, A Cozinha da Alma , foi editado também pela 8INVERSO e, como este, faz um retrato da classe trabalhadora da Alemanha
contemporânea e apresenta para o público brasileiro uma realidade
alemã ainda desconhecida por aqui.

Antes de iniciar a leitura, eu pensei que ela seria monótona e intediante. O título diferente e um tanto estranho acabou me fazendo pensar assim. Mas depois que ele foi explicado na estória fiquei mais ok com ele.

Ele tem 301 páginas. A capa é bastante simples em azul e com metade de um peixe embaixo. Na contracapa tem o restante da figura. A leitura dele é rápida, fluída e nos deixa com um gostinho de quero mais.

O enredo conta a estória de Celestine ( ou Stine) que não conheceu a mãe e que vive uma vida bem atrapalhada ao lado da família. Mora com o pai, Reiner (dono de uma pequena lanchonete e que adora cigarros mentolados e Mett) e a madrasta Ramona (que vive permanentemente bêbada). Também convive com a avó Senta, a Tia preferida Trixi e o seu "psicólogo", Dr. Ray (que na verdade, é um cirurgião plástico amigo da família). Stine tenta agradar o pai e a família enquanto luta para ter seu espaço e se conhecer melhor. Ela não quer seguir o sonho do pai de viver atrás de um balcão, apesar de ainda não saber bem o que quer fazer; ela só tem certeza que quer fazer algo não relacionado a lanchonete. Em meio a váris trapalhadas, algumas mortes de entes queridos, descobertas e MUITO humor, ela segue tentando encontrar a resposta para as seguintes perguntas: "Quem sou? Do que gosto? E o que quero?"

A protagonista leva uma vida bem solta no mundo. Fuma (chega até a usar um baseado), bebe, sai para festas e descobre sua vida sexual. O pai a deixa livre para fazer suas próprias escolhas e só fica um pouco chateado quando ela fala que quer seguir outra profissão. Ela é decidida, focada e convicta em suas ações. Tem fobia de lugares fechados, uma queda pelo Dr. Ray que é gay e vê em sua tia Trixi que é lésbica,uma boa pessoa sendo sua tia preferida. Bem, essa é a Stine.

Apesar de toda a doideira da estória, eu curti bastante a leitura. A Stine é uma personagem diferente e com seu próprio jeito de ver a vida e de lidar com ela. É bem diferente das que costumamos ver em romances. Sobre o romance digo a vocês que ele deixou muito a desejar. Muito morno e confuso, e o fim do livro foi meio sem nexo. Confesso que esperava mais. No epílogo, a autora conta o que aconteceu com cada um dos personagens, o que eu achei interessante.

Bom, mesmo com esses pequenos problemas, indico muito a leitura dele a vocês. Um romance diferente e cheio de humor e vida com uma pitada de erotismo. Tem assunto para todos os gostos. Não deixem de conferi-lo!

Onde comprar?
       Site da Editora.
Adicione no Skoob:
       Clique aqui

domingo, 16 de março de 2014

[News] Nova Header

Olá, pessoal!
Hoje aproveitei que terminei a leitura de um livro e fiz uma ilustra para header do blog. Me basiei em alguns desenhos da página do face, Desenhos de Um Garoto Solitário e em outros que achei pela net.

Fiz ele todo a mão em folha A4 e dei uma editada. Espero que tenham gostado! Qualquer sugestão podem deixar nos comentários.

sexta-feira, 14 de março de 2014

[Resenha] A Dor Mais Afiada - Luis Dill

Publicado pela Editora: 8Inverso
Li em formato: físico (cortesia)

Sinopse:
O leitor não encontra aqui apenas o estilo perspicaz da escrita de Luís Dill. Há uma história picotada, de digressões que se condensam. É uma narrativa de transformação, de conserto. Por isso Douglas arruma carros. Por isso carrega consigo a chave de trocar pneus, companheira mais fiel que as mulheres.
A Dor Mais Afiada é um romance
policial adulto que conta a história
de Douglas, um mecânico envolvido num triângulo amoroso. Após tomar decisões erradas, ele vê-se envolvido em uma perseguição policial que o leva a encontrar personagens capazes de fazê-lo repensar sua vida. Narrada em primeira pessoa, a obra é dividida em exatos mil capítulos — todos curtíssimos e de leitura ágil. Orelha de Altair Martins.Estreia de Luís Dill na 8INVERSO.

O autor trouxe uma alternativa inovadora para sair da mesmice em sua narrativa deste romance policial. A construiu em 1.000 capítulos com um pequeno parágrafo cada. Neles temos intercalados a descrição da vida presente do personagem principal, como também flashbacks do passado dele e de outros personagens da estória. Achei bem interessante esse método, uma boa novidade para mim que nunca vi algo do tipo. Esse sistema deixou a leitura mais fluida, rápida e instigante. Li em apenas um dia e me prendi a leitura mesmo com seu assunto controverso e que não tive grande prazer em ler.

A capa é simples, em cor laranja, contando como ilustração um desenho vasado na forma de uma chave de roda (isso você vai entender durante a leitura). Apesar de simples, ela consegue ser agradável e chama um pouco a atenção.

O conteúdo dele me deixou um tanto impactada e desconfortável com a leitura por conta do seu enredo. Ele conta a estória de Douglas, um mecânico que descobre está sendo traído após 3 dias de casado. Para se vingar, ele assassina a esposa com sangue frio e com uma normalidade brutal com uma das suas ferramentas de trabalho. Depois do ocorrido, ele vai atrás do amante de sua mulher e com a mesma ferramenta também o mata. Quando se da início as investigações para apurar os casos, logo Douglas entra para lista de suspeitos. Ficando cada vez mais encurralado, ele decidi fugir da cidade. Em um novo local, ele encontra um novo amor (não correspondido por causa de suas atitudes), assim como o seu fim.

A morte de mulheres pelas mãos do marido está cada vez mais frequente em nossa sociedade. Basta ligar a tv, ler o jornal ou até mesmo entrar no facebook para nos depararmos com notícias monstruosas. Eles que deveriam proteger, entender e cuidar, na maioria das vezes são os primeiros a arquitetarem a morte de sua companheira. Movidos pelo ciúme, ódio, instruídos pelo mal, eles se acham no direito de derramar o sangue delas para limpar sua "honra". Nesta estória não é diferente. Douglas, movido pelo ciúme e pela raiva mata a mulher friamente e não sente um pingo de remorso. Com os flashbacks do seu passado conturbado, com conselhos de amigos e contando um pouco sobre a ex-mulher, ele tenta justificar sua atitude.

Li cada capítulo sem conseguir deixar o asco que tive pelo personagem de lado. Nenhuma justificativa me parece plausível para qualquer ser humano tomar uma atitude dessas contra o próximo.

Gostei um pouco da leitura porque ela nos mostra o que se passa nessas mentes conturbadas e errôneas que por motivos banais tiram a vida de outros. Um romance policial que mesmo contendo poucas palavras não deixa de ser impactante e de nos fazer pensar sobre o caos que impera no nosso meio. Ele nos mostra a crueldade em sua forma nua e crua e nos deixa a seguinte reflexão: "A que se faz, a que se paga."

• Onde comprar?
      Site da Editora

Adicione no Skoob:
        clique aqui